Postagens

Mostrando postagens com o rótulo saúde humana

Descuido

Na cidade de Miranda, aqui no Mato Grosso do Sul, um agrônomo foi detido pela Polícia Militar Ambiental por transportar agrotóxicos de forma ilegal em uma caminhonete. O material estava sendo transportado sem nenhuma cobertura e sem nenhum símbolo ou sinalização que indicasse sua periculosidade.
O trabalho da polícia contribuiu para livrar a saúde humana e o meio ambiente dos riscos dessa atividade irregular. O transporte de agrotóxicos deve ser feito de acordo com uma série de regras. Se essa caminhonete se envolvesse em um acidente, por exemplo, os riscos seriam enormes, já que  o veículo não possuía nenhuma identificação ou sinalização.

Lixões continuam

Aqui no Mato Grosso do Sul, somente 11 cidades têm planos para acabar com os "lixões". Todos os municípios brasileiros deverão apresentar esse plano até o próximo ano.
As prefeituras da cidades (do estado e do resto do país) têm que investir em formas mais ecológicas de destinação de resíduos. Os "lixões" são uma ameaça ao meio ambiente e à saúde humana. E tem mais: no ano que vem tem Copa do Mundo! O que os estrangeiros vão pensar ao saber que o lixo é tratado inadequadamente na maioria dos municípios brasileiros?

Cuidado com os remédios!

Na cidade de São João del Rei, em Minas Gerais, foi realizada uma palestra sobre o descarte de medicamentos vencidos. Além disso, serão colocadas, em farmácias e unidades de saúde, caixas coletoras para que a população deposite seus remédios, que depois serão recolhidos e incinerados por uma empresa especializada.
Muita gente joga remédios vencidos no lixo comum ou pelo encanamento da pia ou do vaso sanitário. Esse ato é prejudicial ao meio ambiente e à saúde humana. Seria bom se todas as farmácias do país tivessem um local para descarte desses medicamentos.

Tampem o nariz! Argh!

Moradores do bairro Monte Castelo, em São Luís, no Maranhão, reclamam do acúmulo de água de esgoto na frente de casas localizadas no cruzamento entre duas travessas. Uma equipe da CAEMA (Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão) constatou o problema, mas nada fez para resolvê-lo.
Os funcionários não fizeram nada e a população continua no meio do fedor. Os moradores estão sendo obrigados a conviver com a sujeira. Imaginem como é conviver com o mau cheiro na hora das refeições, por exemplo. Além do cheiro ruim, a água suja atrai animais como ratos, baratas, mosquitos etc, o que coloca em risco a saúde humana.
Atenção, pessoal da CAEMA! Façam alguma coisa! Até quando a população vai continuar vivendo assim?

Questão ambiental

Será realizado no dia 7 de agosto na Câmara de Nova Andradina, aqui no Mato Grosso do Sul, o Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.
Os governantes  do país e do mundo inteiro precisam discutir esse assunto. O lixo deve receber um destino adequadao; caso contrário, ele prejudica a saúde humana e o meio ambiente.