Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Câmara Municipal

Doença há pouco tempo estreante sob ainda vaga atenção

Não mais os três vírus que mosquitos Aedes aegypti podem nos inocular – o responsável pela de cor e salteado conhecida dengue e dois que estão em seus primeiros surtos por aqui, chikungunya e zika, como se já não fôssemos obrigados a temer as graves consequências para as quais não raro descamba a primeira síndrome – figuram com fama quase unânime nas pautas midiáticas de saúde nas partes do Brasil onde esta época definida como abertura do inverno mostra sua identidade com toda a clareza. Bastante descem as temperaturas. Uma força pela qual se deixa levar quem pode recuar para dentro de casa ou lugares de trabalho fechados por mais tempo. Com isso desde 2009 sabe o vírus da gripe Influenza tipo A subtipo H1N1 que pode se dar muito bem! Está o porquê demais exposto por terem ocorrido no enfrentamento ao microscópico patógeno falhas do Estado e de cidadãos a nível das no cerco ao inseto. O contrabando de vacinas e o "sumiço" de material em rede pública de saúde são inovadoras m…

Dúvidas entre amordaçar e permitir com ressalvas

A exposição de assuntos políticos, religiosos, culturais, sociais e sexuais – correspondentes até a partes das raízes dos currículos educacionais – parece vulnerável a ser arrancada com pressa alheia às feridas em cujo alívio os debates têm papel nas escolas de Campo Grande. Vieram da Câmara Municipal e do Ministério Público as desmedidas restrições, sendo que os ventos soprados a partir do primeiro organismo encontram no posicionamento do prefehito Alcides Bernal (PP) rochedo impossível de mover para seus destinos finais. De qualquer forma, o ensino nos campos de conhecimento intimamente conectados à natureza e à sociedade demanda atenção a todas as fases da história humana e ambiental. Embora variando as circunstâncias, muitos fatos em distintas épocas apresentam sentido comum intrínseco às vontades humanas e forças da natureza, de sorte que é inevitável não interligar eventos de hoje a clássicos feitos em tempos distantes ao começo de nossa existência. Detalhe importante a contrib…

O "escândalo das vassouras"

Pela segunda vez nesta semana, o presidente da Câmara Municipal de Juazeiro do Norte, no Ceará, Antônio de Lunga, não compareceu à sessão. Ele e o tesoureiro Ronnas Mottos estão envolvidos em um escândalo de compra milionária de materiais de limpeza. 
É lógico que a Prefeitura, a Câmara e os demais prédios públicos necessitam de limpeza, mas o dinheiro obtido com os impostos pagos pelo povo não deve ser gasto apenas com isso. Eu até imagino como estão funcionando os serviços públicos em Juazeiro; com certeza foram afetados por esses gastos desnecessários.

Prejuízos na Câmara

Foram constatados danos no banheiro, na recepção e no plenário da Câmara Municipal do Dourados, aqui no Mato Grosso do Sul. Os atos de vandalismo ocorreram no período em que o prédio esteve ocupado pelo Movimento Passe Livre, um movimento de jovens que tinham várias reivindicações e deixaram o local há poucos dias.
Pode-se concluir que os jovens desse momento não eram todos santos. No meio deles havia uma minoria de desocupados que tiraram proveito da situação para danificar o patrimônio público.
Seria bom se os líderes do movimento fossem localizados, se possível, e, em vez de ser presos, fossem obrigados a tirar dinheiro do próprio bolso para reparar os prejuízos. Caso contrário, o povo é que vai ter que pagar.

Hora de cair fora

Há mais de 40 dias a Câmara Municipal de Dourados, aqui no Mato Grosso do Sul, era ocupada por jovens do movimento Passe Livre, que fazia várias reivindicações. Ontem, eles foram notificados de que teriam que deixar o local; caso contrário, a polícia faria isso. O prédio foi palco de confusões durante todo esse tempo. Ontem, alguns integrantes do movimento ficaram nus dentro da Câmara e quadros com fotos de presidentes da instituição foram virados de cabeça para baixo. Recentemente uma mesa foi quebrada.
Já estava na hora de esse pessoal sair da Câmara. Nem todos eram vândalos (os atos descritos acima foram praticados por uma minoria, que acabou manchando a reputação do movimento), mas, de alguma forma, todos eles atrapalharam o andamento das atividades da instituição. Já chega!

Vandalismo em prédio público

Uma mesa foi quebrada há alguns dias atrás na Câmara Municipal de Dourados, aqui no Mato Grosso do Sul. O prédio está ocupado pelo Movimento Passe Livre, um grupo de jovens que acampou lá para pedir o atendimento às suas reivindicações.
Esse protesto é justo, pois, com certeza, esse ato de vandalismo não foi cometido por todo o grupo. Isso foi feito por dois jovens. Quem fez isso não deveria ser preso, e sim obrigado a ressarcir os danos. Caso contrário, o dinheiro vai ter que sair do bolso do povo.