Luta em estágio inacreditavelmente bom, que, porém, não é o final

Está próxima a vez dele? A justiça brasileira, disponibilizando Lula para prisão e perda de direitos políticos, transpôe o tabu em que consistia a probabilidade geral de antigos ocupantes do mais alto cargo do Executivo ter uma recompensa assim segundo seu zelo para com as leis. Mas a determinação dos devotos do molusco (tanto a membresia do PT e partidos aliados quanto os informais, fixados entre os cidadãos comuns) para retirarem-no dessa para eles catastrófica turbulência se encaixa no espaço que Sérgio Moro reservou no trâmite do processo para tal de maneira a vulnerabilizar a sérias privações os caminhos do juiz e de outras pessoas comprometidas em fazer com que se saia bem quem mereça.

O veredicto do magistrado federal curitibano datando do recente dia 12 alçou Luiz Inácio Lula da Silva a uma excepcional e justa posição na história republicana desta pátria, apesar das inúmeras desperdiçadas chances que o decurso de tal prosseguinte fase política ofereceu para que se desencadeassem fenômenos ao nível disso. Não sendo um processo isolado de averiguação das atitudes desviantes do filho do Brasil durante e na sequência de seu mandato na chefia nacional, a compra de um triplex no Guarujá, ainda por cima camuflada de forma bastante fraudulenta, e o recebimento por ele de vantagens indevidas da OAS, que construíra e ofertou o imóvel, enquanto à empreiteira era conferido direito a integrar o conjunto de exploradores predatórios das receitas da Petrobras assume, com o acompanhamento da recomendação do encarceramento, até o papel reservado aos trâmites investigativos sobre outros delitos de clarificador perante os entusiastas do dito cujo aqui no país e no estrangeiro dos fatídicos interesses que o ele conseguiu sustentar em parte com suas estrategias melhoradoras da dignidade de pessoas em situação social análoga às origens do mesmo, agora entre as vítimas dos efeitos colaterais provindos das abjetas sanhas.

Dada a consistência do que baseia a imputação de culpabilidade a Lula e aos executivos da OAS Léo Pinheiro e Agenor Franklin, fica pouquíssimo (se ainda for) provável que os advogados do ex-presidente (como também não devem ter se negado a agirem os homólogos das outras figuras) e sua mais ampla e diversificada defesa política achem no que a Polícia Federal descobriu e a Justiça compilou elementos dos quais receba apoio alguns tipos de alegação para livrar o cliente/ídolo da encrenca. E os principais argumentos que propagam logicamente sob as sábias diretrizes do mestre evidenciam a pífia seriedade do egresso líder petista, panorama que talvez inclusive dispôs sua imagem para servir como alicerce de pretendidos avanços no poder por ícones públicos eletivos com semelhante juízo. Os inverídicos relatos que o deputado federal Waldir Maranhão (PP) andou disseminando pelo estado homônimo a seu sobrenome de que Lula o apoiaria na corrida para o Senado no ano que vem seriam a voz do bem assentado oportunismo.

Um oniversal alvo da atenção dos envolvidos na corrente do bem a favor de Lula, incluindo seus advogados e grupos como a antiga base aliada no Congresso, é a suposta atmosfera de alerta vermelho atravessado pela democracia brasileira nesse contexto de relaxamento da distância entre o presidente emérito e uma cela. A idônea realidade externa à consciência deste coletivo exibe o caráter falacioso da tese ao mostrar que a isonomia do direito dos brasileiros a ter suas necessidades atendidas e serem úteis uns para os outros no que fazem pelo pão de cada dia correm risco em virtude de práticas dentro das instituições governamentais ao nível do que fundamenta a candidatura do antepenóltimo chefe de Estado nacional a presidiário.

Considerando-se as necessidades gerais da resolução de problemas jurídicos, terá havido um acerto por parte dos advogados de Lula no emprego entre seus argumentos defensivos do rechaço à desconsideração por Sérgio Moro dos depoimentos do réu ao estabelecer a sentença. O tanto que houver de verdades nas explicações de um infrator se predispõe a contribuir na jornada investigativa expondo adicionais detalhes que levem a seu aprofundamento e a uma exemplar arbitragem da pena. A depender, porém, das diferenças de importância entre os álibis e as provas da culpa do réu, ao dispor do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF4), em Porto Alegre (RS) terá ficado um conteúdo em forma para uma apreciação com muito provável desague no acato às providências que estipula.

Na hora de queixar-se da metodologia elucidativa e sugerir mudanças a ela, a defesa do homem-molusco, por sua vez, sofreu derrotas sob medida para as intenções expressas mas ideias de que os profissionais fizeram uso a mando do freguês. Atacando Moro por suposto puro embasamento da condenação em primeia instância em depoimentos informais de Léo Pinheiro, os jurisconsultos imprimiram insignificante força contra o andamento do processo, que, respaldado também em documentos com indícios de delitos encontrados no apartamento onde o ex-presidente reside em São Bernardo do Campo (SP), passou às mãos do tribunal a fim de que este decidisse se o sujeito a quem os procedimentos são dirigidos irá para a cadeia e/ou terá impedida sua disputa pelo antigo cargo nas vindouras eleições. A essa observação se justapunha, formando uma fantástica liga de argumentos, o pedido dos advogados para que se avaliasse o teor das acusações a Lula por mecanismos de auditoria financeira incapazes de detectar as ilegalidades imputadas.

Chegou o caso ao TRF4 por força de uma vontade alternativa do magistrado paranaense benéfica a sua confiabilidade popular ante a necessidade de fazer frente às desqualificações partidas de líderes políticos e plataformas de mídia esquerdistas no anseio de manter domínio sobre as consciências das massas visando realizações não tão boas para este lado mais fraco para onde a corda pode arrebentar. No já citado departamento judicial de segunda instância onde a maior parte de suas arbitragens contra outros réus foi ratificada, Moro sem tanta dúvida encontra um aparato mais vigoroso para dar a palavra final transpondo os impactos ao sentimento coletivo.

Agosto do próximo ano é o instante máximo previsto como ponto final da nova fase de apreciação do fadário desejado a Lula. Graças ao fator cronológico, o fim da batalha, por conseguinte, fica a uma distância suficiente para acomodar a sanha lulista.

Ao sentenciamento houve reações de abstrato otimismo no Legislativo federal. Alguns ocupantes eletivos da Câmara e do Senado saldaram como geral um avanço na cegueira da Justiça por enquanto restrito ao inédito pedido de uma pena daquela natureza ao ex-presidente, e justo o mais hábil no comando das pilhagens das receitas públicas e em mentir. Talvez por sua ímpar qualidade a notícia satisfizera aos indivíduos a ponto fazê-los negligenciar o conhecimento que têm, até mais que o povo, da serventia a responsáveis por outros sérios crimes dos pontos vagos nas práticas e nas estruturas penais aos quais muitos meliantes ficam obrigados a bater continência após escaparem do tratamento disciplinar. O tamanho e a diversidade da minoria interessada em guiar Lula para essa saída "em nome da vontade popular (decifrável como 'da maioria')" podem originar uma força proporcional a dita volúpia, adequada para transformar a pretensão em manobras que em favor dos autores manipulem o entendimento judicial do processo, cabendo aos poderes do TRF4 se atentar para o estado de sua robustez e inocuidade. Longe o departamento judiciário federal gaúcho irá pelos rumos corretos se manter a autoridade com que repeliu a primeira ofensiva vermelha contra o julgamento, habeas corpus em favor de Lula e nulidade das acusações pedidos por cidadãos cujas noções de Direito e interesses chocariam-se com os da trupe de defesa escolhida e remunerada pelo infrator, algo impertinente à fluidez e moralidade da análise.

Tanto faz se Lula for parar atrás das grades e ficar de fora da corrida eleitoral ou dará a volta por cima, no que tange à intensificação por ele e/ou seus cupinchas da luta para manter cativos e atrair mais eleitores com as promessas dos tradicionais agrados assisitencialistas e libertinos e dos ataques a quem reconhece os males disso tudo. Tendo-se em conta que a vitória do petista e aliados dentro e fora da estrela vermelha é bastante provável de emanar de estratégias não superiores em honestidade aos cérebros genitores, se poderá presenciar iniciativas do molusco e seus aliados semelhantes às de monstros marinhos com relação à Justiça, e os segmentos que orientam seu trabalho, como a imprensa, revidando as "perseguições antidemocráticas" com ataques a direitos muito mais eficientes para o povo tão enaltecido pelo conjunto do que contínuos assistencialismos materiais e fomento a iniciativas pedagógicas e midiáticas que disseminam afrouxamento moral com desemboque em libertinagens expostas como liberdades. Mas o fracasso de Lula nas esferas penal e/ou eleitoral não é para ser buscado sozinho, dado o fraco abalo capaz de induzir na autoestima dos discípulos, que, pelo contrário, forças arranjarão a fim de prosseguirem com as avarias. A proximidade progressiva com a maratona de escolhas populares de representantes reforça nosso dever de empenharmo-nos no combate à onda revolucionária levando em conta e batalhando para que nossos semelhantes também considerem, na hora de determinar quem merecerá voto, o teor dos efeitos secundários a que a eleição de candidatos guiados por ela junto com seus pacotes de benévolas promessas tenderá a nos manter condicionados a seguir num trajeto involutivo.

(Reprodução:
http://www.douradosnews.com.br/m/noticias/cidades/luta-em-estagio-inacreditavelmente-bom-que-porem-nao-e-o-final

Referências:
http://paranaportal.uol.com.br/operacao-lava-jato/desembargador-nega-tres-habeas-corpus-em-favor-de-lula-545/

http://www.folhadaregiao.com.br/ara%C3%A7atuba/educa%C3%A7%C3%A3o-encontra-at%C3%A9-livros-de-bruxaria-em-kits-infantis-da-rede-1.351403

http://www.atosefatos.jor.br/waldir-maranhao-inova-e-cria-declaracoes-que-tem-o-apoio-de-lula-para-o-senado/

https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/306967/Moro-compara-Lula-a-Cunha-e-iguala-triplex-da-OAS-a-contas-na-Su%C3%AD%C3%A7a.htm

http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/moro-diz-que-inexistem-omissoes-obscuridades-ou-contradicoes-na-sentenca-que-condenou-lula.ghtml

http://paranaportal.uol.com.br/operacao-lava-jato/moro-nega-obscuridade-ou-omissao/

https://aosfatos.org/noticias/o-que-e-fato-e-o-que-e-ficcao-na-condenacao-de-lula-na-lava-jato/

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/processo-contra-lula-sera-julgado-antes-das-eleicoes-diz-presidente-de-tribunal-federal.ghtml

http://veja.abril.com.br/politica/urgente-lula-e-condenado-a-nove-anos-e-meio-de-cadeia/

https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/07/12/lula-e-condenado-por-moro-em-primeiro-processo-na-lava-jato.htm

http://www.metropoles.com/brasil/politica-br/mpf-vai-pedir-aumento-da-pena-de-lula-e-outros-condenados

http://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/moro-condena-lula-a-9-anos-e-meio-de-prisao-bj8uooupkzdatzxctkrbrfcfq?utm_source=facebook&utm_medium=midia-social&utm_campaign=republica

http://paranaportal.uol.com.br/operacao-lava-jato/leia-a-integra-da-sentenca-que-condenou-lula-na-lava-jato/

http://www.metropoles.com/brasil/politica-br/metropoles-esclarece-principais-duvidas-sobre-a-condenacao-de-lula

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-07/sem-provas-condenacao-e-perseguicao-politica-diz-defesa-de-lula

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-07/mpf-vai-recorrer-de-decisao-de-moro-para-aumentar-pena-imposta-lula

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-07/petistas-falam-em-condenacao-politica-de-lula-opositores-veem-decisao

http://www.metropoles.com/brasil/justica/lula-esta-proibido-de-exercer-cargos-ou-funcoes-publicas

http://markeninja.com.br/wp-content/uploads/2017/07/Infogr%C3%A1fico-Lula-na-Cadeia.png)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De volta do passado, rumo a um sério plano futurista

Pleno destino quase dado ao personagem

Risco de exorcismo resumir-se a pequeno susto